quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Em-leios, devo-te um ponto. Mas segue a frase, de certo virá. Segue em prumo certo, de risca em vida de quintal, no onde correm cunhantãs.  Devido o tempo, longe ou perto, não importa. Quero ver-te e acenar-te. No mais, quero mesmo é escrever-te.

Nenhum comentário: